Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor



currently-reading


goodreads.com



Cinema | Toni Erdmann

por Alexandra, em 26.02.17

toni edrdmann.jpg

Toni Erdmann é um filme fantástico sobre a conexão perdida entre pai e filha e o que implica voltar a reavivá-la. Este pai vai seguir um caminho completamente cómico e surreal, que à primeira vista pode parecer pouco credível, mas que qualquer um de nós ficaria desejoso que pudesse acontecer connosco se estivessemos na mesma situação.

 

Primeiro, tomando o lugar da filha, deixa-nos perplexos e desconfiados com o ridículo da situação e com os impactos que as acções deste pai têm na carreira da filha, mas depois faz-nos rir ao mesmo tempo que nos emociona quando percebemos que as barreiras se estão a quebrar e que tudo volta a equilibrar-se e que este é um caminho tão ou mais válido que qualquer outro. Faz-nos desejar que alguém se sujeitasse a tudo isto para reatar uma relação connosco.

 

Este é um daqueles filmes que mais vale não saber grande coisa sobre ele e deixarmo-nos guiar por aquilo que ele nos dá. Vejam-no.

 

Pontuação: 9/10

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cinema| Moonlight

por Alexandra, em 26.02.17

moonlight.jpg

De todas as opiniões que já tinha lido sobre os filmes nomeados para os Óscares, a minha maior aposta era para Moonlight. As minhas expectativas com este filme eram, portanto, altíssimas e todos estamos familiarizados com o que tende a acontecer nestes casos.

 

Em primeiro lugar, sinto que devo partilhar que não vi este filme de seguida, vi cada uma das suas metades em dias separados, pelo que reconheço que tal possa ter tido alguma influência na minha opinião. No início estava a gostar bastante de Moonlight, uma história de descoberta pessoal de um miúdo, Chiron, até à sua vida adulta. No entanto, na parte III, não fiquei particularmente impressionada, achei que a história de Chiron tomou um rumo um tanto ou quanto sem sentido num aspecto, que o final era previsível e o desenlace demasiado rápido. Para além disto, achei que o actor desta última parte não era nada parecido com os outros dois e não consegui parar de pensar nisso durante o resto do filme.

 

Percebo o fascínio geral, que é uma história forte, intemporal e importante, tenho imensa pena de não ter adorado como a maioria das pessoas, mas reconheço que é muito bom.

 

Pontuação: 8/10

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cinema | Jackie

por Alexandra, em 26.02.17

jackie.jpg

Natalie Portman tem em Jackie um desempenho soberbo, quer a nível de colocação vocal, quer a nível de expressão facial e corporal. Este filme centra-se no que acontece após a morte do presidente John F. Kennedy sob o ponto de vista de Jacqueline Kennedy, sua mulher.

 

De início, Jacqueline mostra-nos de forma subtil os seus sentimentos face a este acontecimento marcante mas, à medida que o filme se vai desenrolando, Jackie torna-se mais transparente e a tristeza que carrega, os seus receios e o trauma que foi assistir ao assassinato do marido começam a ser transmitidos sem filtros ao espectador, que se vê arrastado numa espiral de sofrimento, quase sempre camuflado pela postura de Jacqueline que, vista do exterior, aparenta ser forte e determinada, sempre decidida a honrar a memória do marido. 

 

Pontuação: 7/10

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cinema | Land of Mine

por Alexandra, em 24.02.17

landofmine.jpg

Este não é um filme sobre guerra, mas é um filme sobre o pós 2ª Guerra Mundial, sob um ponto de vista que provalvelmente poucos têm conhecimento ou sequer imaginaram. Com o término da 2ª Guerra Mundial, a costa dinamarquesa foi percorrida por miúdos alemães que tinham como objectivo desactivar dois milhões de minas com as suas próprias mãos.

 

Land of Mine é um filme de uma dureza atroz, com imagens chocantes e que nos deixa em permanente sobressalto, sempre à espera que rebente a próxima mina e de saber quem será o alvo da mesma. As condições em que estes rapazes alemães são forçados a trabalhar são extremamente duras, ainda que se consiga perceber que a preocupação com as pessoas desta nacionalidade fosse absolutamente nula tendo em conta o contexto em que este filme se insere. Ainda assim, nada poderia justificar que se enviassem crianças para fora do seu país e das suas famílias para fazer este (ou qualquer outro) tipo de trabalho. Mais uma vez, quando chegou àquela parte final em que se descrevem os factos históricos por palavras escritas, já eu estava a chorar. Recomendo muito, apesar de ser bastante duro em termos ilustrativos, bem como psicológicos.

 

Pontuação: 9/10

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cinema | Tanna

por Alexandra, em 24.02.17

tanna.jpg

Tanna é um filme cuja acção se desenrola numa ilha remota do Pacífico com um vulcão em actividade e que é protagonizado pela tribo Yakel. É uma história comum, mais que vista em diversos contextos, mas que naquele ambiente tão particular acaba por ter um papel importante.

 

De modo a resolver as divergências que se têm arrastado nos últimos tempos entre duas tribos, Wawa é prometida em casamento a um membro da tribo rival, quando está apaixonada por Dain. O filme desenrola-se em torno deste amor proibido e tem um desfecho previsível tendo em conta os clichés românticos associados aos amores proibidos, com um impacto essencial para as tribos.

 

Gostei particularmente da prestação da irmã de Wawa, a Selin (Marceline Rofit), e da fotografia, principalmente as filmagens do vulcão, mas isto não chegou para contrastar com a história já mil vezes vista e que não me conseguiu fazer olhar para o filme com outros olhos.

 

Pontuação: 6/10

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Filmin | Mustang

por Alexandra, em 23.02.17

mustang.jpg

 

Ainda não tinha tido oportunidade de ver este filme, que esteve nomeado para o Óscar de melhor filme estrangeiro em 2016, mas como ficou disponível recentemente na plataforma Filmin aproveitei para colmatar esta falha, uma vez que já tinha ouvido falar maravilhas. Cereja no topo do bolo: realizado por uma mulher, Deniz Gamze Ergüven.

 

Confirma-se, é um filme da maior importância, que nos transporta para o íntimo destas cinco irmãs orfãs que vivem numa pequena vila da Turquia e que, por terem sido vistas a brincar inocentemente numa praia com rapazes, escandalizam os seus guardiões (avó e tio) devido à alegada imoralidade dos seus actos. Tal dá origem a que estas sejam aprisionadas em casa durante o Verão (e daí por diante) e que comecem a ser arranjados os seus casamentos.

 

Apesar da imensa tristeza que este filme nos traz à medida que se vai desenrolando, Mustang é incrivelmente belo, tem uma edição e uma fotografia maravilhosas e faz-nos torcer por estas miúdas até ao fim, em especial por Lale, a mais nova das cinco irmãs. Se ainda não viram, não percam mais tempo.

 

Pontuação: 10/10

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cinema | Loving

por Alexandra, em 22.02.17

loving.jpg

Começo a notar uma certa tendência minha para gostar de filmes baseados em histórias reais. Fico, de imediato, emocionada quando aparecem imagens ou testemunhos das pessoas retratadas nos filmes, quando aparecem aquelas frases finais a explicar o que aconteceu depois (aqui já estou a chorar quase compulsivamente).

 

Loving é uma bonita história de amor inter-racial que foi fundamental para quebrar as barreiras do matrimónio entre casais de raças diferentes nos Estados Unidos, dado que deu a origem a uma guerra legal que terminou na Suprema Corte. Gostei bastante da interpretação de Ruth Negga que encarnou Mildred de uma forma soberba, uma mulher calma, ponderada e esperançosa de que podia não vencer algumas batalhas, mas que a guerra acabaria por ser, por fim, vencida. Temas como este continuam a ser pertinentes actualmente, essencialmente para percebermos que não foi há tanto tempo assim que existiram este tipo de preconceitos e de quão difícil foi lutar para ultrapassá-los. Filmes como Loving são fundamentais para não voltarmos a cair nos mesmos erros, ou, pelo menos, assim o espero.

 

Pontuação: 8/10

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cinema| Fences

por Alexandra, em 22.02.17

fences.jpg

A primeira metade de Fences é um pouco "morna", a história é um tanto ou quanto banal, a acção é muito reduzida, quase nula, e senti pouca empatia com Troy (Denzel Washington) e com Rose (Viola Davis). Já começava a sentir que seria penoso ver este filme até ao final, perguntando-me sobre o que poderia acontecer (de interessante) na segunda metade.

 

Depois de uma revelação que não se pode considerar totalmente inesperada tendo em conta as pistas lançadas ao longo da primeira parte, Fences melhora consideravelmente graças à magnífica interpretação de Viola Davis (que merece, sem dúvida, o Óscar de melhor actriz secundária), que se torna, no meu entender, a alma de Fences. O filme torna-se de tal modo intenso que nos agarra por completo: queremos e precisamos de saber como vai terminar esta história. A segunda parte compensa sobretudo porque explora muito bem sentimentos como a frustração decorrente de um sonho perdido, a resignação face àquilo que é a nossa vida, a abdicação de determinados sonhos e vontades devido a esta resignação, e, finalmente, a rectidão de carácter, fazer o que está correcto independentemente de quão magoada e despedaçada a pessoa possa estar por dentro.

 

Pontuação: 7/10

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cinema | Hell or High Water

por Alexandra, em 17.02.17

hell_or_high_water.jpg

Hell or High Water é um filme tipicamente americano, que se passa no Texas, onde dois irmãos, Tanner, o irmão mais velho que saíu há pouco tempo da prisão, e Toby, divorciado e pai de dois rapazes, assaltam uma série de bancos com um determinado propósito. É um filme com pouco mais de uma hora e meia, que se passa em poucos dias, e com um número reduzido de personagens para além dos dois irmãos e dos dois Rangers do Texas que os perseguem, Marcus e Alberto. Este western fez-me lembrar um pouco os livros de Cormac McCarthy o que não deixa de ser notável.

 

Hell or High Water é muito competente em termos de elenco, realização, fotografia e banda sonora pelo que não devem deixar de o ver. Ainda assim, não mexeu muito comigo.

 

Pontuação: 7/10

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cinema | Captain Fantastic

por Alexandra, em 16.02.17

captainfantastic.jpg

 

Ah!, finalmente um filme que me enche as medidas e me deixa com um sorriso de orelha a orelha e com os olhos marejados de lágrimas. Um filme que posso realmente dizer que adorei, algo que já não acontecia há bastante tempo. Captain Fantastic ter-me-ia passado completamente ao lado não fosse a sua nomeação para os Óscares de 2017, para a categoria de melhor actor principal (Viggo Mortensen). Não deixa de ser curioso, uma vez que não o destacaria nesta categoria assim à primeira vista, mas consigo compreender.

 

É um filme fantástico sobre parentalidade, sobre o crescimento, a aprendizagem e a camaradagem, sobre a educação social, cultural, física e alimentar que é considerada normal nos dias de hoje, de um prisma totalmente diferente do que estamos habituados, ou seja, mostra-nos tudo isto através de um exemplo oposto ao habitual actualmente. Contudo, como não poderia deixar de ser, acabamos por perceber que este método não é só feito de coisas boas e que é impossível atingir a perfeição (nada de novo).

 

Ao longo de Captain Fantastic surgem as mais variadas referências literárias, quer a nível de ficção, como a nível filosófico e político, à medida que nos é apresentada uma visão alternativa do mundo através do olhar de seis crianças/adolescentes e do seu pai. Fez-me rir e chorar, e fez-me recordar, por diversas vezes, o filme Little Miss Sunshine, que tenho de rever em breve. Não deixem de assistir a este magnífico filme.

 

Pontuação: 10/10

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor



currently-reading


goodreads.com