Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Mais sobre mim

foto do autor



currently-reading


goodreads.com



53D36F9D-BD94-46FA-8AE3-9D7673800E22.jpg

Título: Como Uma Flor de Plástico Na Montra de Um Talho

Autor: Golgona Anghel

Editora: Assírio & Alvim

 

A escrita de Golgona Anghel aliada às temáticas que aborda deixam-me à beira do delírio porque fico, muitas vezes, cheia de vontade de ter escrito alguns dos seus poemas (a maioria). Quando a leio, transporto-me imediatamente para o interior dos seus poemas, numa busca incessante pelo que está escrito nas suas linhas e entrelinhas. Não sendo o meu preferido dos dois, é quase tão bom como Vim Porque Me Pagavam. Se tiverem oportunidade de ler a poesia de Golgona Anghel não a percam, depois contem-me como foi.

 

TUDO O QUE NÃO É LITERATURA ABORRECE-ME -
queixava-se um checo muito conhecido.
As nossas vidas, aliás, deviam acontecer sempre no futuro,
onde, no fundo, sucedem todos os romances.
O nosso estilo teria a nitidez dos tratados científicos
e a força da descrição de uma batalha -
embora os críticos tentassem
transformar tudo isto num relatório criminal
ou no argumento para um filme de Domingo à tarde.
O Eduardo Prado Coelho era capaz de fazer isso.

Mas é preciso fugir ao máximo dos museus de cera,
perseguir os funcionários públicos do senso comum,
evitar que as mulheres feias tenham filhos.
Aliás, é urgente matar toda a gente que tem fome.
Por isso, não me venhas com xaropes e bancos alimentares.
Não me trates as doenças.
Não me levantes a mão.
Vem, vem apenas,
come as you are
- embora seja tarde.

Vem para esta sala de baile com portas cheias de musgo
e vozes molhadas em tabaco.
Vem passar uma noite nos seus cantos húmidos
onde coronéis e generais
levantavam as saias à história.

Já tirámos os cavalos,
já limpámos as trincheiras.

Vem ralar na minha pele arrepiada
a cor pálida da lua
como se fosse a casca de um limão.

Vem sem falta -
o palco está vazio,
a sala cheia.
Com o passo lento das derrotas,
um macaco vestido de Shakespeare
conduzir-te-á até ao último acto.

 

Pontuação: 4

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Opinião | Vim Porque Me Pagavam

por Alexandra, em 25.04.17

4A9811AD-6BE1-436D-A255-56C7F6A2E3BA.jpg

 Título: Vim Porque Me Pagavam

Autor: Golgona Anghel

Editora: Mariposa Azual

 

Golgona Anghel é uma das minhas poetisas preferidas e devo confessar que, tendo relido ambos os seus livros de poesia, já estou a ressacar por mais um livro seu. É incrível como uma mulher nascida na Roménia escreve tão bem em português, recomendo vivamente.

 

Na sala de leitura da insónia,
quando o carro do lixo é
a única resposta ao silêncio
e cada instante é um amante
que matamos num abrir e fechar de pernas,
acompanho em eco, até à estação,
os passos apressados das empregadas de limpeza.
Para elas, não há inferno. Simplesmente,
evitam sonhar.
Para nós, o autocarro 738 irá sempre ao Calvário,
mesmo se pago o bilhete.

No horizonte lento mas seguro de uma utopia light,
passo o dia a vender o meu terceiro mundo
em colóquios e palestras internacionais.
Mostro a toda a gente o canino de ouro,
a minha pele de girafa,
a bibliografia em francês.

Escrevo a palavra vazio
depois da palavra espera.

Pouso as mãos sobre os joelhos cansados.

Limpa
mas mal vestida
- olhai -
sou o novo modelo para o fracasso.

 

Pontuação: 5

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 5E363176-4D2C-44EB-A8B5-104604E1EDD0.jpg

Títulos: Curso Intensivo de Jardinagem e Sorte de Principiante

Autor: Margarida Ferra

Editora: & etc

 

As minhas opiniões sobre livros de poesia resumem-se, na maioria das vezes, a simplesmente transcrever um ou alguns dos meus poemas preferidos. Já tinha lido estes dois livros de Margarida Ferra há alguns anos atrás e relê-los foi uma experiência muito agradável. Não entram para os preferidos da vida porque não me deixam o coração a palpitar de emoção, mas há alguns poemas que andam muito perto disso. Ficam os meus preferidos abaixo, por ordem.

 

Sala da frente

Do sofá ainda tão gasto

entre as duas portas,

agora parecem mais:

todos no chão da sala,

volumes em resma,

tamanhos variáveis,

desalinhados,

no lugar dos tacos regulares,

escondem-nos.

 

Os livros todos, o chão da sala,

pequenas torres impressas,

legos impossíveis:

os que foram

desconhecidos nesta morada,

as dádivas secretas,

o sítio das palavras que não regressaram.

No canto superior direito,

o índice dos teus dedos,

a tua sombra em tantas páginas.

 

Morada

Habitamos

uma casa quando

a sombra dos nossos gestos

fica mesmo depois

de fecharmos a porta.

 

Pontuação: 3

 

*

 

7.

Alimentar animais:

estender a mão aos pássaros,
passar incólume pelas pessoas

ainda alguém que pouse
para o nosso cuidado gratuito
sem alergias, nojo ou lágrimas.

 

20. Não te iludas

Não te iludas, não te desiludas,
não há ninguém do outro lado
da linha, não precisas de bateria
para te ligarem,
nunca serás tu a pagar rodadas,
és invisível e não vale a pena
tentares gostar de vinho.
Não te iludas,
nada te tenta como uma romã antes
do tempo delas, frésias em dezembro
podem ser comoventes
mas não são frésias ou não é dezembro,
ninguém tas estende.
Se arrancam pétalas dos cabelos das crianças,
não são tuas. Não te iludas,
acende a luz. 

 

Pontuação: 3

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor



currently-reading


goodreads.com